Futebol

Site do Boa Esporte é invadido por hackers e exibe dados sobre feminicídio

Foto: Crédito Joaquim Ambrósio
O site do Boa Esporte foi invadido por hackers neste domingo (12). Ao acessar a página do clube mineiro, o usuário se depara com uma tela preta e um texto mostrando dados sobre o feminicídio, crime de ódio baseado no gênero.

O clube tem sido criticado desde que acertou um contrato de dois anos com o goleiro Bruno, que responde processo pela morte da modelo Eliza Samudio.

De acordo com a “ESPN”, o site do Boa Esporte já havia sido alvo de hackers há pouco tempo. Na manchete em que o presidente do clube se manifesta sobre a contratação do goleiro, o usuário era levado para uma página que pergunta se Bruno já havia informado onde estava o corpo de Eliza Samudio.

O Supremo Tribunal Federal (STF), em decisão assinada pelo ministro Marco Aurélio Mello no fim de fevereiro, concedeu habeas corpus a Bruno para que ele responda ao seu processo em liberdade. Ele estava em prisão preventiva desde 2010, e a continuação da cautelar foi considerada “injustificável” pelo juiz.

Bruno, ao deixar a cadeia, tinha contrato firmado com o Montes Claros Futebol Clube, também mineiro. À reportagem, um dos empresários do jogador, Lúcio Mauro, disse que conseguirá derrubar na Justiça o acordo assinado em 2014 porque o jogador nunca recebeu nada do time. “Esse contrato, na verdade, foi feito lá atrás para ver se liberava o Bruno a trabalhar, e o juiz negou”, explicou.

O CASO BRUNO

Ex-goleiro de Atlético-MG e Flamengo, Bruno estava preso desde 2010, acusado de envolvimento no assassinato de Eliza Samudio. Ele foi condenado em 2013 a 22 anos e 3 meses de prisão, em regime fechado, por homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver contra a ex-amante, além de sequestro e cárcere privado do filho que ele teve com Eliza.

O jogador recorreu da decisão, mas não teve recurso julgado. Ele estava preso por decisão de primeira instância há quase 7 anos. Na decisão tomada no dia 21 de fevereiro e publicada no dia 26 pelo Supremo, o ministro Marco Aurélio Mello julgou não haver sustentação jurídica para manutenção do encarceramento. Bruno responderá ao processo em liberdade. Com informações da Folhapress.

Comentar

Clique aqui para postar um comentário

Redes Sociais

/ Free WordPress Plugins and WordPress Themes by Silicon Themes. Join us right now!

GeraLinks - Agregador de links